10.10.08

A vaidade do homem

Outro dia, caminhando pelo pátio de estacionamento do Olímpico, encontrei um amigo em comum meu e de Luiz Nei.
Conversa vai, conversa vem, esta pessoa me diz:
- Uma vez Luiz Nei me disse uma frase que jamais esqueci: “a pior vaidade que existe é a vaidade do homem”.
E quando ele se referiu ao “homem”, é à pessoa do sexo masculino mesmo.
Luiz Nei é mestre e a frase faz total sentido.
Ainda mais pra mim que trabalho no meio onde a vaidade exacerbada impera.
Não sou contra a vaidade, absolutamente.
O que me enoja é o exagero.
O ego inflado.
A necessidade absurda de aparecer.
De ser melhor que os outros.
Nem que para isso tenha que passar por cima das pessoas que estão ao lado.
E pior: nem que para isso tenha que pegar para ela o mérito dos outros.
Já presenciei tanta coisa que se fosse colocar aqui o leitor não acreditaria.
Demonstrações patéticas de vaidade e prepotência.
Mas, aos poucos estou aprendendo a lidar com isso.
Tento relevar.
Até porque é a única forma que tenho para sobreviver neste mundo podre do futebol.
Sinto pena.
Da minha parte, pelo contrário, me falta vaidade.
Faço as coisas e me escondo.
Não sinto a necessidade de aparecer.
Faço o meu trabalho bem feito e deixo que os outros levem os louros.
E isso me incomoda, mas não consigo agir de outra forma.
Alguma coisa relacionada à minha criação altruísta, quem sabe.
Seja como for, a vaidade exagerada nada mais é do que uma demonstração de insegurança e de inferioridade intelectual.

E a falta dela também.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...