21.4.09

Traições e afins

Sem dúvida a fidelidade é algo em extinção na sociedade atual.
Muitas vezes, o adepto a esta prática chega a sofrer duras críticas dentro de seu círculo de amizade e passa a ser tratado como um estranho.
Há que se ter muita força de vontade para resistir às tentações diárias e que estão muito mais próximas do que imaginamos.
E não me refiro apenas aos homens, mas às mulheres também, evidentemente.
A liberdade e a grande oferta de parceiros no mercado, quando não gerenciados com sabedoria, podem beirar à promiscuidade.
E sempre beiram.
Basta ligarmos a TV ou abrirmos um jornal, ou revista, para nos depararmos com a traição descarada sendo mostrada como a coisa mais normal e interessante do mundo.
Pessoas traem, são traídas, e tudo tratado com humor ou como se fosse algo altamente excitante e compensador.
Tá nas novelas, nos seriados de TV, nos filmes, nas histórias, na eqüina, em tudo.
Uma luta inglória para aqueles que defendem o casamento, o namoro, o noivado ou qualquer tipo de relacionamento monogâmico.
Enquanto isso as tentações seguem aí.
Cada vez mais perto, escondidas em cada esquina.

Só espero que ela resista.

(...)

A propósito (1): gostaria de saber a opinião das mulheres sobre a nova propagando do Fiat Stilo.
Sabe aquela que o casal para o carro no sinal vermelho ao lado do Fiat Stilo e o homem que está dirigindo abre o vidro e fica admirando o carro. De repente o vidro do carro se abre e a mulher que estava ao lado dele aparece dentro do outro carro?
Sabe, né?
Bom, particularmente, sou capaz de apostar que nenhuma mulher participou da criação e/ou da aprovação deste comercial.

A propósito (2): hoje fui ver Divã no cinema com a Pri.
Na história, a Lilia Cabral trai o marido dela (José Mayer) com o Reinaldo Gianecchini e depois ainda fica com o Cauã Reymond.
Ficção.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...