25.11.10

O gostinho da Imortalidade

Futebol é engraçado.
E muitos anos vivendo intensamente o esporte, não só como torcedor, mas também como profissional do jornalismo, nos faz deparar com situações inusitadas e extraordinárias.
Talvez seja o futebol o único esporte a nos proporcionar situações como esta.
Da tristeza a euforia em segundos.
Do amor ao ódio em apenas um lance.
Onde o vilão se torna herói.
Onde o mais fraco vence o mais forte com requintes de crueldade.
Assim é o futebol, meus amigos.
Quando achamos que já vimos tudo, eis que inacreditável bate à porta.
Não deveria me surpreender mais com esse tipo de coisa, afinal, sou torcedor do Grêmio.
E ninguém mais do que o Grêmio é capaz de criar situações beirando a tragicidade e conseguir fugir delas quando ninguém mais espera.

A experiência em estar presente na reversão do irreversível nos traz o feeling que antevê os acontecimentos.
No jogo entre Palmeiras e Goiás, por exemplo, percebi no momento em que as duas equipes entraram em campo que o destino iria pregar uma peça no nosso amigo Felipão.

O Goiás, recém rebaixado, havia sido derrotado no primeiro jogo no Serra Dourada, não tinha mais nada a perder dentro da competição e muito menos no Brasileirão. Os jogadores com seus brios atingidos, querendo provar qualidade e hombridade. O Palmeiras superior, priorizando a competição continental visando a Copa Libertadores, jogando com reservas e menosprezando o campeonato nacional. Torcida arrogante, cantando vitória antes da hora.

Um prato cheio para um roteiro que deixaria Shakespeare horrorizado.

Para ficar mais bonito ainda, o Palmeiras marca o primeiro gol.
Mas o Goiás reagiu.
E reagiu bonito.
Como explicar?
Logo o Goiás? Um time sem nenhuma tradição?
Talvez a presença do jogador Marcelo Costa?
Afinal, o único que teve a oportunidade de vestir a camisa do Tricolor Gaúcho. Pode ter sido infectado pelo vírus da imortalidade.
Pois travestido de Grêmio, o Goiás jogou como o velho Grêmio de outrora, quando chutava uma bola em gol e marcava dois.

Foi bonito de se ver.

Nem mesmo os mais potentes microfones da Rede Globo conseguiram captar algum ruído da torcida palmeirense após o segundo gol goiano.

Mas tenho que esconder minha euforia.
Ninguém mandou casar com uma palmeirense.
Além disso, de nada adianta se o Grêmio não seguir fazendo sua parte.

Vamos ver até onde o Goiás pode chegar.
Anda brincando muito com a sorte.
E quando se der conta que existe apenas um “Imortal” no futebol brasileiro, pode ser tarde demais.

3 comentários:

Anônimo disse...

Que vergonha, comemorar SÉRIE B. É BEM COISA DE GAZELA.

Pri Tescaro disse...

Anônimo é engraçado... sempre recalcado!!

Anônimo disse...

Thanks for some quality points there. I am kind of new to online , so I printed this off to put in my file, any better way to go about keeping track of it then printing?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...